10 jul 2019

Livro de Reclamações Eletrónico

Categoria Notícias
  • Livro de Reclamações Eletrónico

Obrigatoriedade do Livro de Reclamações Eletrónico a partir de 1 de julho de 2019

 

No âmbito do programa "SIMPLEX+2016", como uma medida de simplificação administrativa, que envolve a Direção Geral do Consumidor e as entidades reguladoras dos diferentes setores, foi definido criar o Livro de Reclamações Online, um ponto único de entrada online dos pedidos de informação e das reclamações de consumidores, direcionando-os automaticamente para as entidades competentes.

 

Atualmente está em curso, a segunda fase de implementação do Livro de Reclamações Eletrónico, que decorre entre 1 de julho de 2018 e 1 de julho de 2019, para os Operadores económicos que exerçam atividades fiscalizadas pela ASAE - Autoridade de Segurança Alimentar e Económica.

 

Assim, estes operadores económicos devem-se registar na plataforma do livro de reclamações, em www.livroreclamacoes.pt, para cumprirem com as normas enunciadas no Decreto-Lei para o livro de reclamações em formato eletrónico. As coimas aplicadas às contraordenações decorrentes do não cumprimento, variam entre os 150 euros e os 15000 euros consoante a infração em causa e consoante seja praticada por uma pessoa singular ou coletiva, sendo a negligência também punível.

 

Desta forma a Central Projectos já fez a autenticação na plataforma do livro de reclamações eletrónica, de forma a cumprir esta exigência legal.

BP

Últimos artigos
30 jul 2020
Assinatura do Auto de Consignação da Ampliação de Lar de Idosos da Irmandade da Nossa Senhora das Necessidades – Fiscalização da Central Projectos
A obra prevê a ampliação do edificado existente com a construção de um volume novo com 3 pisos, com 13 novos quartos duplos ao nível do piso superior, com uma nova clínica de medicina física e de reabilitação criada ao nível do rés-do-chão e, no piso inferior, com lavandaria e áreas técnica. 
22 jul 2020
COVID-19: Prevenção e Controlo de Infeção no Setor da Construção
Apesar do período de confinamento que ocorreu no nosso país, a construção foi um setor que nunca cessou suas atividades. Nos últimos tempos, principalmente na zona de Lisboa e vale do Tejo, foi reportado um aumento significativo do contágio de colaboradores neste setor, o que fazia adivinhar a tomada de medidas pelas autoridades competentes.
10 jul 2020
O MERCADO IMOBILIÁRIO E A CRISE EM PORTUGAL
É certo que os efeitos do COVID-19 afetarão de forma extrema a economia portuguesa, uma vez que sua maior percentagem vem através do turismo. Contudo, essa quebra da economia estaria maior caso não fosse os investimentos imobiliários e em construção no país.
Partilhar artigo Partilhe este artigo nas redes sociais
x
O nosso website usa cookies para ajudar a melhorar a sua experiência de utilização. Ao utilizar o website, confirma que aceita a sua utilização. Esperamos que esteja de acordo. Política de Utilização de Cookies.