17 jun 2019

LSF - Aço Leve na Construção

Categoria Estruturas
  • LSF - Aço Leve na Construção
A utilização de sistemas construtivos em aço leve, também designados por Light Steel framing (LSF), tem vindo a crescer ao longo dos últimos anos. Como o próprio nome indica, este sistema estrutural tem como principal material o aço, em perfis enformados a frio produzidos a partir de chapas com baixa espessura, o que permite a conceção de estruturas com baixo peso próprio, quando comparadas com as estruturas de betão armado e com as de aço laminado.
 
A leveza deste tipo de construção pode gerar dúvidas quanto à sua resistência estrutural, no entanto os sistemas construtivos de LSF, desde que corretamente dimensionados, oferecem um boa resistência ao edificado, cuja vida útil pode atingir várias centenas de anos. Estas estruturas apresentam também uma resposta sísmica adequada, uma vez que a quantificação da ação sísmica transmitida à estrutura depende da massa da mesma.
 
O revestimento deste tipo de solução estrutural é normalmente constituído por placas de OSB ou placas cimentícias, aplicadas nos perfis de aço. Estas placas são consideradas como elementos estruturais secundários, que atuam como contraventamento, desempenhando um papel fundamental no que diz respeito à resistência da estrutura quando sujeita a ações horizontais, principalmente à ação do vento e do sismo. Para além das placas de OSB ou cimentícias podem ser também incorporados perfis diagonais para aumentar o travamento da estrutura.
 
Este tipo de sistema construtivo apresenta inúmeras vantagens no que diz respeito ao conforto, pois os materiais utilizados no seu revestimento proporcionam excelentes condições de isolamento térmico e acústico, promovendo também uma construção sustentável.
 
A nível económico, uma estrutura em aço leve destaca-se dos restantes tipos de sistema estrutural pela sua rapidez de execução, pelo baixo desperdício de materiais, podendo estes ser reciclados ou reaproveitados, e pelas reduzidas cargas de fundação, possibilitando uma redução de custo significativa em fase inicial de obra.
 
No entanto, tal como todos os sistemas estruturais, este também apresenta algumas limitações, principalmente no que diz respeito à dificuldade de vencer vãos grandes e à altura da edificação, sendo que a utilização deste tipo de estrutura não é aconselhável para mais do que dois pisos.
 
A versatilidade deste sistema permite uma vasta gama de aplicações. Pode ser utilizado quer em construção de raiz, quer em reabilitação e/ou ampliação de edifícios existentes. Em reabilitações e ampliações, a sua leveza permite que não sejam introduzidos esforços muito signiticativos nos elementos estruturais do edifício existente, evitando assim a necessidade de reforço destes e consequentemente o aumento do custo da obra.
 
Na Central Projectos procuramos manter-nos atualizados relativamente à evolução dos materiais de construção e dos sistemas construtivos, dispondo de uma equipa experiente e dedicada, capaz de projetar edifícios com o sistema estrutural mais adequado, eficaz e económico. 
Autor:RM 
Últimos artigos
30 jul 2020
Assinatura do Auto de Consignação da Ampliação de Lar de Idosos da Irmandade da Nossa Senhora das Necessidades – Fiscalização da Central Projectos
A obra prevê a ampliação do edificado existente com a construção de um volume novo com 3 pisos, com 13 novos quartos duplos ao nível do piso superior, com uma nova clínica de medicina física e de reabilitação criada ao nível do rés-do-chão e, no piso inferior, com lavandaria e áreas técnica. 
22 jul 2020
COVID-19: Prevenção e Controlo de Infeção no Setor da Construção
Apesar do período de confinamento que ocorreu no nosso país, a construção foi um setor que nunca cessou suas atividades. Nos últimos tempos, principalmente na zona de Lisboa e vale do Tejo, foi reportado um aumento significativo do contágio de colaboradores neste setor, o que fazia adivinhar a tomada de medidas pelas autoridades competentes.
10 jul 2020
O MERCADO IMOBILIÁRIO E A CRISE EM PORTUGAL
É certo que os efeitos do COVID-19 afetarão de forma extrema a economia portuguesa, uma vez que sua maior percentagem vem através do turismo. Contudo, essa quebra da economia estaria maior caso não fosse os investimentos imobiliários e em construção no país.
Partilhar artigo Partilhe este artigo nas redes sociais
x
O nosso website usa cookies para ajudar a melhorar a sua experiência de utilização. Ao utilizar o website, confirma que aceita a sua utilização. Esperamos que esteja de acordo. Política de Utilização de Cookies.